521 ANOS SIIA ARA - Festival Olhar do Norte

21 a 24
JAN | 2022
Teatro Amazonas

 

Acesse sua conta ou cadastre-se para visualizar.

Entrar / Cadastrar

Indisponível

Este filme não está mais em cartaz.

521 ANOS SIIA ARA

Ver Trailer

Entre no grupo de discussão | Horários: Não possui | Ferramenta:

Entrar

Urucu vermelho de sangue. Sangue nas mãos ou nas veias, Abya Yala Terra Indígena. Cantos que são falas, armas que são falos. Passarão. Esturro de onça demarcando território. Novos presságios de rasga mortalha. 521 Anos de pátrias amadas desde a invasão europeira. O coma colonial segue, muita gente adormecida em ideias sobre nós, os povos originários. A história foi mal contada, mas nós vamos descontar, vamos recontar. Vamos despertar cada vez mais. Já não dormimos. Cada vez mais vamos ser a natureza. Os próximos 521 Anos vão ser nossos. Os próximos 521 Anos vão ser indígenas.

Um filme de Adanilo
Produção: Amanda Magaiver, Ítalo Almeida e Sofia Sahakian,
Direção de Fotografia: Robert Coelho
Cor: Ítalo Almeida
Finalização de imagem: Léo Leão
Still: Naila Fernandes

Adanilo é Indígena manauara, ator, dramaturgo e diretor de cinema e teatro. Atuou nos longas "Marighella", de Wagner Moura, "Eureka", de Lisandro Alonso, "Oeste Outra Vez", de Erico Rassi, "Noites Alienígenas", de Sérgio de Carvalho, e "Anaíra", de Sérgio Machado. Atualmente integra a segunda temporada de "Segunda Chamada", série da Globo dirigida por Joana Jabace, e a segunda temporada de "Dom", série da Amazon dirigida por Breno Silveira.

Adanilo desenvolve o roteiro do filme "Omáguas - O Povo das Águas", que narra a trajetória do povo Kambeba na região do Amazonas, e o espetáculo de teatro "Ayuri Kawa", inspirado na vida de Ajuricaba, líder revolucionário dos Manaós.

Em Manaus, Adanilo foi co-fundador da Artrupe Produções, onde desenvolveu filmes, peças de teatro e eventos culturais diversos, participando de editais e festivais locais e nacionais. Atuou ainda nos grupos Apareceu a Margarida, Grupo Origem e Cês em Cena. Já no Rio de Janeiro, colaborou com a criação da Companhia Casa 407, investigando a linguagem da palhaçaria e do teatro de rua, e fundou o Teatro Galeroso, grupo que investiga as artes cênicas e audiovisuais a partir de uma visão periférica da cidade de Manaus.

Como diretor, Adanilo dirigiu os curtas "Castanho" e "Decisões", e os espetáculos "Bicho Doido" e "Primeiro Quarto". Já na função de dramaturgo, Adanilo lançou textos nos livros "Outras Dramaturgias", "Amazonas Dramaturgias" e foi premiado no concurso Jovens Dramaturgos, publicando o livro da peça "Bicho Doido".

Já disponível: